Como declarar indenizações recebidas da Justiça no Imposto de Renda

São Paulo – Quem ganhou uma ação na Justiça em 2017 precisa declarar os valores recebidos no Imposto de Renda 2018. Há regras específicas sobre onde cada tipo de ação deve ser declarada e o que é ou não tributável.

Se você não tem o informe de rendimentos fornecido pela empresa que perdeu a ação, é aconselhável contar com a ajuda de um advogado para incluir a decisão judicial na declaração.

Você deve informar os valores recebidos à Receita na declaração desse ano somente se, de fato, resgatou o dinheiro da ação no ano passado. Se o dinheiro estiver indisponível porque o réu ainda está recorrendo, não declare a indenização.

A verba indenizatória não é tributável, por isso deve ser declarada na ficha “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”.

Se a indenização foi por rescisão de contrato de trabalho, acidentes de trabalho ou saque do FGTS, o valor deve entrar na linha 03. Se foi de outro tipo, declare na linha “24 – Outros”.

Você precisa separar o que é verba indenizatória do que é rendimento tributável, pois nem todos os valores pagos por uma empresa em uma ação trabalhista são indenização. Na decisão judicial, está discriminado o que é verba indenizatória e o que é rendimento tributável.

A Receita permite abater os honorários advocatícios do valor líquido recebido, ou seja, do que é rendimento tributável, e não indenização. O campo para informar esses valores varia de acordo com o tipo de ação.

Os rendimentos recebidos acumuladamente decorrentes de ação judicial devem ser informados na ficha “Rendimentos recebidos acumuladamente”.

Fonte: Exame | 16/04/2018

Cotações e Índices

Moedas - 19/07/2018 16:12:39
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,861
  • 3,862
  • Paralelo
  • 3,870
  • 4,040
  • Turismo
  • 3,700
  • 4,010
  • Euro
  • 4,495
  • 4,497
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,866
  • 3,866
  • Libra
  • 5,024
  • 5,028
  • Ouro
  • 150,530
  •  
Mensal - 16/05/2018
  • Índices
  • Mar
  • Abr
  • Inpc/Ibge
  • 0,07
  • 0,21
  • Ipc/Fipe
  • -
  • -0,03
  • Ipc/Fgv
  • 0,17
  • 0,34
  • Igp-m/Fgv
  • 0,64
  • 0,57
  • Igp-di/Fgv
  • 0,56
  • 0,93
  • Selic
  • 0,53
  • 0,52
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,58
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

Agendas Tributárias

  • 20/Julho/2018
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte
  • Cofins/CSL/PIS-Pasep | Retenção na Fonte
  • COFINS/PIS-Pasep | Entidades financeiras
  • INSS | Previdência Social
  • EFD - Contribuintes do IPI | Pernambuco e Distrito Federal
  • Simples Nacional
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação – PMCMV
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação
  • Previdência Social (INSS) | Parcelamento excepcional de débitos de Pessoas Jurídicas
  • Parcelamento especial da Contribuição Social do salário-educação
  • Previdência Social (INSS) | Parcelamento Especial de Débitos - PAES
  • DCTF Mensal | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
  • Informe de Rendimentos Financeiros - PJ

Avenida Presidente Vargas nº 1288, Vila Progresso
Dourados - MS  |  CEP: 79825 090  |  Fone: 67. 3421 4125
condata@condatacontabilidade.com.br

Desenvolvido pela TBrWeb
( XHTML / CSS )